23º Prêmio da Música Brasileira


Em noite de João Bosco, Criolo domina Prêmio da Música Brasileira

Em cerimônia no Rio, rapper e Herbert Lucena vencem em três categorias. Homenageado, João Bosco canta e vê outros artistas lembrarem sua obra.

Matéria em Reprodução de :
José Raphael Berrêdo 
Do G1, no Rio

João Bosco cantou quatro canções e agradeceu especialmente a Aldir Blanc (Foto: Wagner Meier / G1)João Bosco cantou quatro canções e agradeceu especialmente a Aldir Blanc (Foto: Wagner Meier / G1)

Em noite de João Bosco, Criolo e Herbert Lucena foram os maiores vencedores da cerimônia do 23º Prêmio da Música Brasileira, realizada no Theatro Municipal, no Centro do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira (13). Mas as três conquistas do rapper paulista e do cantor pernambucano, ou as duas de Dori Caymmi e Alcione, entre outros destaques, ficaram em segundo plano diante das homenagens ao compositor mineiro, que completa 40 anos de carreira em 2012.

“Essa é uma homenagem à música brasileira, aos compositores brasileiros”, dividiu o mérito Bosco, entre duas das quatro músicas que tocou: “O mestre sala dos mares”, “Desenho de giz”, “Papel Machê” e “O bêbado e a equilibrista”.

Nos agradecimentos, o músico lembrou com carinho do maior de todos seus parceiros, Aldir Blanc. “Agradeço aos meus parceiros desde o Vinicius de Moraes, mas, acima de tudo, ao meu irmão, camarada, amigo de fé, essa pessoa genial que é Aldir Blanc.”

A cerimônia começou às 21h30 com a apresentação de um grupo de percussão, seguida do primeiro de muitos vídeos projetados em um telão, com trechos da história do homenageado – o de abertura com narração de Marieta Severo e o restante na voz das apresentadoras Luana Piovani e Zélia Duncan, com textos do filho de João, Francisco Bosco.

Com a canção “Agnus sei”, Milton Nascimento e Toninho Horta abriram os tributos musicais ao mineiro com arranjos do diretor musical João Carlos Coutinho, antes do anúncios dos primeiros prêmios da noite, na categoria MPB, em que Dori Caymmi foi o destaque, com a vitória nos quesitos álbum e cantor.

Arlindo Cruz com a grávida Mariane de Castro (“Nação”); Ney Matogrosso (“O cavaleiro e os moinhos”); Alcione (que brincou de incorporar Bosco ao cantar “Quando o amor acontece”); e Zé Renato, Zeca Baleiro, Bluebell e Zélia Duncan, que, juntos e separados, interpretaram mais três canções (“Bodas de prata”, “Miss Sueter” e “Dois pra lá, dois pra cá”), subiram ao palco antes do anúncio dos dois primeiros prêmios para Criolo: álbum (“Nó na orelha”) e cantor de pop/rock/reggae/hip hop/funk – o terceiro, recebido pouco depois, foi como artista revelação.

“Obrigado Rap nacional. Devo tudo isso a você!”, postou o rapper em sua página no Facebook.

Criolo recebe troféu durante o 23º Prêmio da Música Brasileira, na noite desta quarta- feira (13), no Theatro Municipal do Rio de Janeiro (Foto: Marcelo Cortes/FotoArena/Agência Estado)Criolo recebe troféu durante o 23º Prêmio da Música Brasileira, na noite desta quarta- feira (13), no Theatro Municipal do Rio de Janeiro (Foto: Marcelo Cortes/FotoArena/Agência Estado)

Com moral, Criolo cantou “Um a zero” logo em seguida, pouco antes de um dos momentos mais emocionantes da noite, a premiação de Cauby Peixoto como melhor cantor de canção popular. Aos 81 anos, o artista foi aplaudido de pé ao receber o prêmio das mãos de Luana Piovani.

Além do rapper, apenas o pernambucano Herbert Lucena recebeu três prêmios, dois deles na categoria regional (álbum e cantor) e pelo projeto

Zeca Pagodinho e Gaby Amarantos deram sequência ao show com “Incompatibilidade de gênios”, finalizada com um selinho. “Ganhei um beijo!”, comemorou o sambista. Ivete Sangalo deu continuidade às homenagens, com a canção “Corsário”.

Monica Salmaso e Renato Braz completaram a lista de homenagens musicais, ao cantarem “Sinhá”, momentos antes de a parceria de Chico Buarque e João Bosco ganhar o prêmio de melhor canção – na barbada da noite, visto que era a única categoria em que o homenageado concorria.

Chico, aliás, foi um dos premiados ausentes da noite, assim como Nelson Freire, Marisa Monte e Beth Carvalho.

Ao fim, todos os artistas que se apresentaram voltaram ao palco para assistir a João Bosco cantar a saideira,  “O bêbado e a equilibrista”.

Show itinerante
Desde 2011, o Prêmio da Música Brasileira tem uma versão itinerante para rodar o país, com edições em a oito cidades brasileiras, idealizadas por José Maurício Machline. Depois do Municipal, será realizado um show sobre João Bosco, com participação do próprio homenageado, de Leila Pinheiro e de Mariana Aydar. Arlindo Cruz e Péricles se revezam, cada um se apresentando em quatro cidades.

Com apresentação de Murilo Rosa, a turnê começa em São Luís (19 e 20/6) e passa por Parauapebas (PA) (23/6), Belém (26 e 27/6), Vitória (ES) (30/6 e 1/7), Itabira (MG) (3/7), Belo Horizonte (5/7), Corumbá (MS) (7/7), até ser encerrada em São Paulo, no dia 11 de julho.

Confira os premiados nas 35 categorias:

ARRANJADOR
Gilson Peranzzetta – álbum “Iluminado”, de Dominguinhos

MELHOR CANÇÃO
“Sinhá”. Compositores: João Bosco e Chico Buarque. Intérpretes: Chico Buarque e João Bosco, em “Chico”

PROJETO VISUAL
Herbert Lucena – álbum “Não me peçam jamais que eu dê de graça tudo aquilo que eu tenho para vender”. Projeto: Evandro Borel

REVELAÇÃO
Criolo

CANÇÃO POPULAR
Álbum: “Duas faces – Jam session” , de Alcione. Produtor: Alexandre Menezes
Dupla: Chitãozinho & Xororó / “Sinfônico 40 anos”
Grupo: Banda Calypso / “Meu encanto vol.16”
Cantor: Cauby Peixoto / “Cauby ao vivo – 60 anos de música”
Cantora: Alcione / “Duas faces – Jam session”

INSTRUMENTAL
Álbum: “The art of samba jazz”, de Dom Salvador Sextet. Produtor: Dom Salvador
Solista: Hamilton de Holanda / “Brasilianos 3”
Grupo: Zimbo Trio / “Autoral”

MPB
Álbum: “Poesia musicada”, de Dori Caymmi. Produtor: Dori Caymmi
Grupo: Passo Torto / “Passo Torto”
Cantor: Dori Caymmi / “Poesia musicada”
Cantora: Mônica Salmaso / “Alma lírica brasileira”

POP/ROCK/REGGAE/HIPHOP/FUNK
Álbum: “Nó na orelha”, de Criolo. Produtores: Marcelo Cabral e Daniel Ganjaman
Grupo: Mundo Livre S/A / “Novas lendas da etnia Toshi Babaa”
Cantor: Criolo / “Nó na orelha”
Cantora: Marisa Monte / “O que você quer saber de verdade”

REGIONAL
Álbum: “Não me peçam jamais que eu dê de graça tudo aquilo que eu tenho para vender”, de Herbert Lucena. Produtores: Herbert Lucena e Alexandre Rasec
Dupla: Kleuton e Karen / “Genuinamente caipira”
Grupo: Ponto Br / “Na eira”
Cantor: Herbert Lucena / “Não me peçam jamais que eu dê de graça tudo aquilo que eu tenho pra vender”
Cantora: Socorro Lira / “Lua Bonita – Zé do Norte 100 anos”

SAMBA
Álbum: “Nosso samba tá na rua”, de Beth Carvalho. Produtor: Rildo Hora
Grupo: Fundo de Quintal / “Nossa verdade”
Cantor: Arlindo Cruz / “Batuques e romances”
Cantora: Fabiana Cozza / “Fabiana Cozza”

ÁLBUNS ESPECIAIS
DVD: Chitãozinho & Xororó – “Sinfônico 40 anos”. Diretor: Cassio Amarante
Língua estrangeira: “Goodnight kiss” – Delicatessen. Produtores: Beto Callage e Carlos Badia
Erudito: “Liszt: harmonies du soir” – Nelson Freire. Produtor: Dominic Fyfe
Infantil: “Embolada” – Rita Rameh e Luiz Waack. Produtores: Luiz Waack e Rita Rameh
Projeto especial: “O samba carioca de Wilson Baptista” – Vários artistas. Produtor: Rodrigo Alzuguir
Eletrônico: “Lá onde eu moro” – João Hermeto. Produtor: João Hermeto

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s